Pesquisar no blog do MFL

quarta-feira, 8 de julho de 2015

Coaf recebeu informações sobre movimentação de R$ 51,9 bi na Lava Jato

O presidente do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), Antônio Gustavo Rodrigues, informou hoje (7) que a instituição produziu 267 relatórios sobre a Operação Lava Jato para a Polícia Federal (PF) e o Ministério Público Federal (MPF). Esses relatórios citam 27.579 pessoas físicas e jurídicas em movimentações financeiras que totalizaram R$ 51,9 bilhões.
Em depoimento na CPI da Petrobras, na Câmara dos Deputados, Rodrigues destacou que entrada e saída de dinheiro de uma conta constituem duas movimentações diferentes, mas não necessariamente de valores distintos. "Se alguém deposita R$ 1 mil na sua conta e depois retira R$ 1 mil, são duas movimentações, mas trata-se dos mesmos R$ 1 mil", exemplificou.

Os relatórios da Coaf são feitos a partir de comunicações dos bancos, após notarem uma operação suspeita, como transferência de valores muito altos para uma empresa sem tradição no mercado. Segundo Rodrigues, os 267 relatórios correspondem a 8.918 comunicações recebidas.
O deputado Altineu Côrtes (PR-RJ) chegou a manifestar a intenção de pedir cópias dos relatórios. Entretanto, o presidente do conselho alertou que alguns nomes não estão com o sigilo bancário quebrado e, por isso, não podem ser divulgados. Ele sugeriu ao parlamentar que informasse os que tiveram o sigilo quebrado, de modo que o Coaf forneça apenas esses relatórios.
De acordo com Rodrigues, o Brasil tem dificuldade em punir exemplarmente e prefere criar meios para prevenir a repetição do ilícito. "O Brasil cria uma série de entraves pra dificultar e pune a sociedade toda. Tem de punir aquele que infringiu a lei. Minha visão é essa. Em vez de resolver o problema, encarar o errado, [pune a sociedade]."
Para ele, o sistema brasileiro de controle de operações financeiras funciona, uma vez que os ilícitos envolvendo a Petrobras e empreiteiras foram descobertos e estão sendo investigados.
Já o deputado Antonio Imbassahy (PSDB-BA) ressaltou que o sistema precisa ser revisto. "Temos de reconhecer que existem falhas graves. O sistema não está funcionando, e esses órgãos todos precisam de uma revisão de procedimentos e atitudes."
Segundo o deputado Valmir Prascidelli (PT-SP), o sistema de investigação melhorou, o que não significa que não havia ilícitos antes. "É fácil dizer que agora aumentou a corrupção, mas antes não havia controle. É evidente que agora apareçam mais ilícitos. Estão apurando mais", acrescentou Prascidelli.

7 comentários:

Unknown disse...

Pra esse país sai dessa é preciso a intervenção dos militares, resguardando os direitos democrático do povo, liberdade de impressa, o direito de ir e vim do cidadão. acabando essa corja de corruptos que se instalou no congresso nacional.

Waldemilson Araujo Pastor Pastor disse...

É verdade, socorro forcas armadas!

Raus disse...

Isso que você quer é exatamente aquilo que os militares não fizeram e não irão fazer se voltarem ao governo brasileiro.

João Carlos disse...

A intervenção era prå ontem.
No mínimo acabava com essa roubalheira.

João Carlos disse...

A intervenção era prå ontem.
No mínimo acabava com essa roubalheira.

João Carlos disse...

A intervenção era prå ontem.
No mínimo acabava com essa roubalheira.

João Carlos disse...

A intervenção era prå ontem.
No mínimo acabava com essa roubalheira.

Postar um comentário

Você concorda com a absolvição da Deputada Federal Jaqueline Roriz - PMN/DF, (que foi flagrada recebendo propina em 2006)

Você concorda com o Projeto de Lei 531/2011, de autoria do deputado Cristiano Araújo - PTB-DF, que propõe horários determinados para manifestações na Esplanada dos Ministérios?

Como você conheceu o @movFichaLimpa?

Qual critério tem mais peso ao escolher o candidato de sua preferência?

Mais uma polêmica envolvendo ministros. Estamos passando por uma onda de denuncismos, ou limpeza?

Você concorda com a reforma ministerial, e diminuição da quantidade de ministérios? Atualmente são 39 no total. EUA, Reino Unido, Rússia e México têm em média 20 ministérios.